17 julho 2012

março12

a linha
é
descontínua.
descontinua a seguir o seu caminho,
alternando entre espaços de nada
e momentos de tudo.

Nenhum comentário: